The Thinking of Abstraction

Autores

  • Guillaume Lejeune

Resumo

RESUMO: Trendelenburg critica em seus Logische Untersuchungen e em dois panfletos publicados sob o título Die logische Frage in Hegels System a idéia de um automovimento das categorias no idealismo especulativo.Tal automovimento é considerado como uma hipóstase das categorias. A lógica de Hegel seria, então, uma abstração dogmática, que teria esquecido a origem gramatical das categorias. Pretendese demonstrar neste artigo que Trendelenburg erra em relação ao alvo em sua crítica, e que, em vez de ser uma abstração, a lógica de Hegel é mais um pensamento das abstracões que usamos de uma forma inconsciente em nossos discursos científicos sobre o mundo.


ABSTRACT: In his Logical Investigations and the two pamphlets published under the title “The Logical Question in Hegel’s System”, Trendelenburg criticizes the idea of a self-movement of logical categories in speculative idealism. Such a self-movement is considered to be a hypostasis of the categories. Thus, Hegel’s logic is a dogmatic abstraction which has forgotten the grammatical origin of categories. We aim to show in this article that Trendelenburg's criticism misses the point and that Hegel's logic is not so much an abstraction as a “thinking” of the abstractions that we use in an unconscious way in our scientific discourses about the world.

Downloads

Publicado

2016-04-09

Edição

Seção

Artigos